23 de mai de 2013

O brincar em tempos modernos

  Na minha infância, eu brincava muito na rua, passava minhas tardes andando de bicicleta, patins, brincando de fazer comidinha, brincando de queimada..
Cresci, virei mãe e nesse meio tempo tudo mudou, a violência aumentou, a tecnologia não para de crescer e com toda essa evolução, as brincadeiras não são mais as mesmas!
Infelizmente não dá para deixar nossos filhos brincando livres na rua, como antes nossos pais faziam, é só ligar a tv e ver que a violência ronda todos os lugares e não poupa crianças, pelo menos eu não me sinto segura em deixar a Carol ( minha filha mais velha) brincando nem na calçada, que seja! Moro em um bairro ótimo, mas não se vê criança na rua, ela não sabia o que era isso até irmos a casa do meu namorado, lá as crianças tem o hábito ainda de brincar na rua, e eu deixei ela brincar, se acabou de tanto jogar queimada e brincar de esconde com as crianças! Mas quem vê ela no meio das crianças, percebe a inocência de não saber pra onde ir quando vem carro, de em todo e qualquer movimento que fizer ter sempre os olhares voltados pra mim, foi gostoso mais ela também não se sentiu segura!
Quando ela nasceu, eu era muito nova, então deixava ela vendo tv enquanto eu fazia as minhas coisas, ela foi crescendo e eu ensinei ela a mexer no computador, e no ultimo natal, pediu um tablet de presente, e eu dei!
Hoje ela tem 7 anos e me arrependo um pouco, de ter colocado tanto a tecnologia na frente de tudo, brincava tanto de casinha quando era pequena, e não faço nem uma cabana de lençóis para a minha filha! Quando ela queria brincar, íamos pro computador, e agora não temos o habito de brincar juntas ( trabalhava e estudava, só encontrava ela dormindo) e eu me culpo muito por isso!
Estou lendo um livro "Criando filhos em tempos Difíceis" da Elizabeth Monteiro e com ele aprendi o quanto é importante o brincar, o quanto estimula a criança em cada fase da vida, e o quanto é necessário para a criança não ser um adulto frustrado no futuro. 
Estamos na semana mundial do brincar, e aproveitei a ocasião para dar inicio a essa nova fase, um recomeço no papel de mãe, e um aprendizado como mulher, preciso dizer que ela adorou a idéia?
Então como brincar com uma criança, que está acostumada a brincar sozinha, ver tv o dia todo e ter todos os aparatos tecnológicos em suas mãos?

PARA RESGATAR A INFÂNCIA DE NOSSAS CRIANÇAS, DEVEMOS PRIMEIRO RESGATAR A NOSSA INFÂNCIA

Fechar os olhos e voltar no tempo, relembrar todo aquele tempo bom, de quando era criança, todos os momentos marcantes, brinquedos preferidos, sabores, os sons, o cheiro da lancheira da escola e depois se imaginar criança nos tempos de hoje ( mãe sem tempo, ficar trancado dentro de casa, internet com jogos fáceis e cômodos, brincar sozinho).
Pronto isso foi o suficiente para eu largar tudo e pedir pra minha filha fazer uma lista de coisas que ela gostaria de brincar comigo, e a lista foi grande! Me culpei mais uma vez, mas prometi que por algum momento do meu dia, deixaria tudo de lado para brincar com ela, todos os dias! E isso incluía deixar a Manoella com a vó por um tempo, para a Carol se sentir um pouco filha unica novamente e ter minha atenção voltada só pra ela!
Demorei muito tempo para entender, mas agora eu aprendi a importância do brincar na vida de uma criança e a importância do ser criança de vez em quando na vida de um adulto!

Aqui fica a minha experiencia de vida, e uma dica para quem tem filhos vidrados em tecnologia, brincar é o máximo, não faz mal pra saúde e só aumenta o vinculo de confiança e amor!


Este post faz parte da Blogagem Coletiva em comemoração a Semana Mundial do Brincar promovido pela Aliança pela Infância.


7 comentários :

  1. Ótima colocação..... eu permito que a Lara brinque com equipamentos tecnológicos, mas para conhecer. Escolhemos morar num condomínio para que ela pudesse brincar NA RUA, igual brinquei quando fui criança. Subir em árvore. Ser livre. Parabéns pela participação, o texto está muito legal! #semanamundialdobrincar BeijoBeijo Andrea e Lara coisas-da-lara.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Temos sempre que achar a medida certa entre as brincadeiras da nossa infância e as novas brincadeiras! Infelizmente com o mundo como está hoje poder brincar na rua é artigo de luxo!
    Bjos
    #semanamundialdobrincar
    www.mamaeneura.com

    ResponderExcluir
  3. Que lindooooooooooooooo, Patty! Parabéns pela mudança, pela coragem de partilhar seu desafio e pela generosidade de mostrar que é possível...Aproveitando o papo, você já deu um jeito de transmutar essa culpa da época em que não sabia da importância do brincar? Se ainda resta um tiquinho de julgamento ou de dor, te convido pra ler o meu desabafo desta semana: http://blogdodesabafodemae.blogspot.com.br/2013/05/crianca-precisa-de-mae-ate-pra-brincar.html
    Abraços e boa brincadeira!

    ResponderExcluir
  4. Patricia, que bom ler este post e perceber que alguns movimentos nos fazem procurar um caminho melhor. Essa sua percepção de que pouco brincava com sua filha é muito rica, faz de você uma mãe observadora, parabéns viu...
    Gostei muito de sua participação, de ler um relato tão sincero, e adorei conhecer seu blog, a partir daqui poderemos continuar conversando =D
    Também estou participando da BC, se quiser me conhecer acessa: www.varaldospassarinhos.blogspot.com.br
    Beijos
    #semanamundialdobrincar

    ResponderExcluir
  5. Oi Patty, acho que eu gosto tanto de brincar porque me lembro bem da minha infância que foi maravilhosa> Brincar faz muito bem a saúde e fortalece o vículo entre pais e filhos, com certeza. Adorei o seu depoimento.

    beijos
    Chris
    http://inventandocomamamae.blogspot.com
    #SemanaMundialdoBrincar

    ResponderExcluir
  6. Adorei a sua reflexão.
    Temos que sempre trazer a criança que existe dentro de nós.
    Bjks
    http://www.maevaidosa.com/2013/05/bc-o-brincar-alianca-pela-infancia.html
    #SemanaMundialdoBrincar

    ResponderExcluir
  7. Exatamente, refletir sobre a criança que nós fomos! Por isso, tento resgatar um pouco da criança que fui, do uso da imaginação em primeiro lugar, antes mesmo de ter sequer algum objeto(brinquedo).

    Fico preocupada com a criação que algumas amigas dão para seus filhos, mas cada um sabe o que é melhor para si. Eu quero que meu filho tenha uma infância livre de preconceitos e que brinque a vontade explorando sua criatividade quando bem quiser.

    um beijo
    Também estou participando dessa blogagem sobre a importância do brincar!
    Rebeca Bricio
    www.mulherquepariu.blogspot.com.br

    #semanamundialdobrincar

    ResponderExcluir